Modelos familiares para decisões de mercado de trabalho

 

É com os desenvolvimentos teóricos de Becker (1981) que a relevância das decisões intrafamiliares para a determinação de resultados de mercado de trabalho se tornam um consenso na literatura. Famílias são instituições que o compartilhamento de renda e o estabelecimento de estratégias para o crescimento da renda e do consumo.

 

Além disso, em contextos de crises econômicas, o capital humano de uma família pode ser utilizado de forma a mobilizar oferta de trabalho adicional entre os membros. Apesar do consenso sobre a relevância das abordagens familiares para análises de políticas e bem-estar, as decisões de mercado de trabalho são, na maior parte da literatura, modeladas no nível individual, frequentemente devido a limitações teóricas ou metodológicas. Estudos muitas vezes ignoram que a maioria dos indivíduos vivem em famílias, agregam recursos e tomam decisões em conjunto e ignorar essa interação. Grande parte dos estudos que desenvolvem modelos familiares para decisões de mercado de trabalho foca na interação estratégica e decisões de mercado de trabalho de indivíduos casados.

 

Alguns estudos objetivam formular e testar restrições teóricas da função de oferta de trabalho de casais, e outros estudos se concentram em modelos de barganha intrafamiliar ou modelos coletivos para a oferta de trabalho. Uma literatura mais recente busca estender os modelos de busca por emprego para um contexto familiar, analisando as decisões de busca ou aceitação de um emprego de casais ou outros membros da família.